«Creio para compreender e compreendo para crer melhor» (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9) (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9)

28
Nov 09
Vídeos em espanhol
 
Esta manhã no Palácio Apostólico do Vaticano, por ocasião do 25º aniversário da assinatura do Tratado de Paz e amizade entre o Chile e a Argentina, O Papa Bento XVI recebeu em audiências separadas a Presidente da nação argentina Sua excelência a Senhora Cristina Fernandes de Kirchner e a Presidente da Republica do Chile Sua excelência a Senhora Michelle Bachelet Jeria. As ilustres hóspedes encontraram-se também com o cardeal Tarcisio Bertone Secretario de Estado acompanhado pelo arcebispo Dominique Mamberti, secretario para as relações com os estados.
 
Em seguida na Sala Clementina o Santo Padre proferiu um discurso dirigido ás delegações das duas Presidentes.
 
Durante os colóquios cordiais foi recordada com gratidão a obra meritória de Mediação efectuada pelo Servo de Deus o Papa João Paulo II e pelo saudoso Card. António Samoré, que ajudaram os dois países, através da via do diálogo, a dissipar uma velha controvérsia territorial. Em particular deteve-se sobre o facto de que, durante este quarto de século, o acordo produziu frutos concretos de bem e de prosperidade para os dois povos irmãos e continua a servir de exemplo e de modelo para os países da América Latina e para a inteira comunidade internacional. Não faltou uma troca de pontos de vista sobre a actual situação internacional.

- “Nada se perde com a paz. Tudo se pode perder com a guerra”. Esta bem conhecida expressão do Papa Pio XII foi evocada por Bento XVI, no discurso proferido na Sala Clementina e dirigido às duas delegações das Presidentes do Chile e da Argentina Cristina de Kirchner e Michelle Bachelet, no âmbito das comemorações dos 25 anos da assinatura do “Tratado de Paz e Amizade” entre os dois países sul-americanos, graças à mediação da Santa Sé. Resolveu-se assim do melhor modo um diferendo fronteiriço sobre o canal Beagle, no extremo sul do continente, que contrapunha as duas nações (ambas governadas então por regimes militares), suscitando entre elas graves tensões, com o risco próximo do desencadear de uma guerra.

A iniciativa de paz pacientemente conduzida pela Sede Apostólica, sob o impulso de João Paulo II e o empenho pessoal do então Secretário de Estado cardeal Casaroli e do Enviado especial do Papa o cardeal Samoré, culminou na assinatura do referido Tratado de Paz, a 18 de Outubro de 1984, no Vaticano, com a presença dos respectivos ministros dos Negócios Estrangeiros. Como fez questão de referir agora Bento XVI, no seu discurso, a intervenção pontifícia de então tinha sido expressamente solicitada ao Papa pelos Bispos argentinos e chilenos.

“A vinte e cinco anos de distância (congratulou-se o Papa) podemos verificar com satisfação que aquele histórico acontecimento contribuiu beneficamente para reforçar em ambos os países os sentimentos de fraternidade, assim como uma mais decidida cooperação e integração, concretizada em numerosos projectos económicos, intercâmbios culturais e importantes obras de infra-estruturas, superando deste modo preconceitos, suspeitas e reticências do passado.

“Na realidade, Chile e Argentina não são apenas duas Nações vizinhas, são muito mais: são dois Povos irmãos, com uma vocação comum de fraternidade, de respeito e amizade, que em grande parte é fruto da tradição católica que está na base da sua história e do seu rico património cultural e espiritual”.

O acontecimento agora comemorado – sublinhou Bento XVI – “faz já parte da grande história das duas nobres Nações, como também de toda a América Latina”.

“O Tratado de Paz e Amizade é um luminoso exemplo da força do espírito humano e da vontade de paz perante a barbárie e a insensatez da violência e da guerra como meio para resolver as diferenças. Uma vez mais, há que ter presentes as palavras que o meu Predecessor, o Papa Pio XII, pronunciou em momentos especialmente difíceis da história: ‘Nada se perde com a paz. Tudo se pode perder com a guerra’.”

“Por isso (prosseguiu o Papa), é necessário em todo o momento perseverar, com vontade firme e até às últimas consequências, no tratar de resolver as controvérsias com autêntica vontade de diálogo e de acordo, mediante pacientes negociações e necessários compromissos, tendo sempre em conta as justas exigências e os legítimos interesses de todos”.

Mas esta atitude construtivamente pacífica só será “possível se a causa da paz abrir caminho na mente e no coração de todos os homens”, especialmente dos responsáveis políticos, e se estiver “baseada em firmes convicções morais, na serenidade dos espíritos, por vezes tensos e polarizados, na busca constante do bem comum - nacional, regional e mundial”. O que exige que se promova também “uma autêntica cultura da vida”:

“A consecução da paz requer, de facto, a promoção de uma autêntica cultura da vida, que respeita a dignidade do ser humano em plenitude, unida ao fortalecimento da família como célula básica da sociedade. Requer também a luta contra a pobreza e a corrupção, o acesso a uma educação de qualidade para todos, um crescimento económico solidário, a consolidação da democracia e a erradicação da violência e a exploração, especialmente contra as mulheres e as crianças”.

No final do discurso papal, na solene audiência conjunta, o Santo Padre saudou um a um os componentes de ambas as Delegações, seguindo-se o costumado intercâmbio de dons…

Por volta das 12.30, concluída esta audiência, as duas presidentes sul-americanas deslocaram-se à cripta da basílica de São Pedro, para se deterem num momento de oração junto do túmulo de João Paulo II, ali depondo duas coroas de flores. As duas Delegações encaminharam-se então, através dos jardins do Vaticano, até ao edifício onde há 25 anos teve lugar a assinatura do Acordo de Paz e Amizade entre a Argentina e o Chile. Ali teve lugar uma cerimónia comemorativa, com discursos do Cardeal Bertone, Secretário de Estado, da Presidente Cristina Fernandez de Kirschner – da Argentina, e da presidente chilena Michelle Bachelet. No final, foi descerrada uma placa comemorativa do XXV aniversário da assinatura do Tratado de paz entre Argentina e Chile.

(Fonte: site Radio Vaticana)
publicado por spedeus às 13:15

«Dá "toda" a glória a Deus. - "Espreme" com a tua vontade, ajudado pela graça, cada uma das tuas acções, para que nelas não fique nada que cheire a humana soberba, a complacência do teu "eu".» São Josemaría Escrivá – Caminho, 784 O ‘Spe Deus’ tem evidentemente um autor que normalmente assina JPR e que caso se justifique poderá assinar com o seu nome próprio, mas como o verdadeiramente importante é Deus na sua forma Trinitária, a Virgem Santíssima, a Igreja Católica e os seus ensinamentos, optou-se pela discrição.
NUNC COEPI - Blogue sugerido para questões de formação, doutrina, reflexões e comportamento humano
http://amexiaalves-nunccoepi.blogspot.com/
subscrever feeds
links
pesquisar neste blog
 
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

blogs SAPO