«Creio para compreender e compreendo para crer melhor» (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9) (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9)

29
Jan 10
Há uns meses atrás, um governo europeu tinha de ser muito atrevido ou muito temerário para não comprar vacinas contra a gripe A, quando a grande maioria as estava a comprar aos milhões. Mas o governo polaco saiu-se bem, e pode dar-se hoje por satisfeito por não ter gasto nem um cêntimo em vacinas, quando os outros países estão a tentar revender as que lhes enchem os armazéns.

Os polacos têm fama de agir por conta própria dentro da União Europeia e de não se renderem facilmente às tendências que consideram alheias à sua cultura ou aos seus interesses. Na questão da vacinação contra a gripe A, o governo manteve-se à margem das recomendações da Organização Mundial de Saúde, da União Europeia e dos laboratórios farmacêuticos, que insistiam numa imunização em massa da população.

A decisão do governo de Donald Tusk mostrou ser a mais acertada, já que a gripe A está a regredir e não foi mais mortífera que a gripe sazonal. Na Polónia causou 145 mortes.

Tusk afirma que "tomámos a decisão pensando exclusivamente no interesse do paciente e do contribuinte polaco". O governo afirmou em devida altura que a segurança da vacina não estava ainda devidamente comprovada.

Outros países da UE que encomendaram vacinas aos milhões - a princípio até se disse que eram precisas duas doses por paciente - não sabem agora o que fazer com elas antes de caducarem. As campanhas de vacinação que se levaram a cabo não tiveram grande êxito entre a população, que, ao constatar que a epidemia era bastante benigna, não mostrou grande interesse em se vacinar.

Em França, o governo comprou 94 milhões de doses pelo preço de 869 milhões de euros, mas apenas foram vacinadas 5 milhões de pessoas. Na Alemanha, dos 50 milhões de doses, usaram-se 6. A Holanda, depois de ter comprado 34 milhões de doses, quer agora revender 19 milhões. A Itália comprou 48 milhões de doses, mas em Dezembro apenas 840.000 tinham sido utilizadas.

A Espanha tinha encomendado 37 milhões de doses, tendo depois reduzido a encomenda para 13 milhões, mas somente 3 milhões de pessoas receberam a vacina, cerca de um terço da "população de risco" prevista. O custo foi de 90 milhões de euros.

O excesso de precauções reflecte-se igualmente no stock do antiviral Tamiflu: a Espanha adquiriu 15 milhões de unidades, das quais apenas 6.000 foram utilizadas. Compraram-se entre 2005 e 2006 dez milhões de unidades para fazer face a uma hipotética pandemia de gripe das aves e, como pareciam poucas para enfrentar a gripe A, adquiriram-se logo a seguir mais cinco milhões. Já que as reservas estão praticamente intactas, a Agência Espanhola do Medicamento alargou no passado mês de Dezembro a data da caducidade do fármaco dos cinco anos iniciais para sete.

Pressão dos laboratórios?

Neste momento não se assiste já a uma corrida ao armazenamento de vacinas; procura-se revendê-las ou oferecê-las. França e Alemanha competem pela primazia da revenda à Ucrânia. Vários países com excedente de vacinas puseram, através da OMS, 10% dos seus stocks à disposição dos países em desenvolvimento.

Os governos que compraram milhões de vacinas podem alegar que aplicaram o "princípio da precaução", pois havia grande incerteza sobre a propagação e a morbilidade da gripe A. Mas o "princípio da precaução" sai caro ao contribuinte.

Levantam-se agora vozes a pedir que se investigue se foi sobrevalorizada a gravidade da epidemia. A Comissão de Saúde da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa pediu para se averiguar se os laboratórios farmacêuticos "exerceram pressão para que fossem usados recursos destinados à saúde na incrementação de estratégias de vacinação inúteis".

Face às acusações de alarmismo dirigidas à OMS, que desde o passado mês de Junho declarou pandémica a gripe A e fomentou a compra massiva de vacinas e de tratamentos, a organização anunciou uma investigação externa dobre a sua gestão da gripe A. A OMS é acusada de beneficiar os laboratórios farmacêuticos, ao exagerar os riscos da doença. A isto, a OMS responde que declarou a pandemia devido à rápida proliferação da doença, e não pela sua mortalidade.

Aceprensa
publicado por spedeus às 00:04

«Dá "toda" a glória a Deus. - "Espreme" com a tua vontade, ajudado pela graça, cada uma das tuas acções, para que nelas não fique nada que cheire a humana soberba, a complacência do teu "eu".» São Josemaría Escrivá – Caminho, 784 O ‘Spe Deus’ tem evidentemente um autor que normalmente assina JPR e que caso se justifique poderá assinar com o seu nome próprio, mas como o verdadeiramente importante é Deus na sua forma Trinitária, a Virgem Santíssima, a Igreja Católica e os seus ensinamentos, optou-se pela discrição.
NUNC COEPI - Blogue sugerido para questões de formação, doutrina, reflexões e comportamento humano
http://amexiaalves-nunccoepi.blogspot.com/
subscrever feeds
links
pesquisar neste blog
 
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

blogs SAPO