«Creio para compreender e compreendo para crer melhor» (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9) (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9)

16
Out 08
Confirma-se. As empresas nacionais temem de tal forma o Governo, enquanto detentor de um poder arbitrário de contratação em nome de um Estado cada vez mais tentacular, omnipresente e sufocante, que preferem o silêncio revoltado a aceitar incluir o seu nome na mais inócua lista dos credores de Estado.

Sabia-se. Mas a compreensão manifestada, esta semana, pelo presidente da Associação Empresarial de Portugal com este estado de coisas não é apenas uma má notícia para a forma como avaliamos a saúde da nossa Democracia. É uma notícia ainda pior sobre o Estado da nossa economia.

Mas há mais. Quem mais deveria combater a concorrência desleal de empresários que fogem ao Fisco e à Segurança Social, como se de mais um simples recurso de gestão se tratasse, do que os seus próprios pares? Pois bem, José António Barros soma ao discurso “moralista” de combate à fuga e à fraude fiscal uma inesperada tolerância e compreensão com todas as empresas associadas que recorram a esses meios. Condena o seu procedimento, mas recusa qualquer sanção que passe, por exemplo, pela sua expulsão da AEP… E acrescenta: às Associações compete defender, em todo, o caso os interesses dos associados.

Não devia. Se as cúpulas patronais são as primeiras a pactuar com o clima de medo em que cresce a subsídio-dependência e a tolerar (por acção ou omissão) as práticas da concorrência desleal, não há competitividade que resista.

À nossa economia não faltam apenas trabalhadores mais qualificados. Faltam, desesperadamente, verdadeiras elites e uma nova cultura empresarial.


Graça Franco


(Fonte: site RR)
publicado por spedeus às 00:00

«Dá "toda" a glória a Deus. - "Espreme" com a tua vontade, ajudado pela graça, cada uma das tuas acções, para que nelas não fique nada que cheire a humana soberba, a complacência do teu "eu".» São Josemaría Escrivá – Caminho, 784 O ‘Spe Deus’ tem evidentemente um autor que normalmente assina JPR e que caso se justifique poderá assinar com o seu nome próprio, mas como o verdadeiramente importante é Deus na sua forma Trinitária, a Virgem Santíssima, a Igreja Católica e os seus ensinamentos, optou-se pela discrição.
NUNC COEPI - Blogue sugerido para questões de formação, doutrina, reflexões e comportamento humano
http://amexiaalves-nunccoepi.blogspot.com/
subscrever feeds
links
pesquisar neste blog
 
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

blogs SAPO