«Creio para compreender e compreendo para crer melhor» (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9) (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9)

16
Nov 08
Dirigindo-se aos milhares de fiéis congregados neste domingo ao meio dia na Praça de S. Pedro para a recitação do Angelus Bento XVI comentou o Evangelho deste Domingo que narra a celebre parábola dos talentos. O homem da parábola - disse o Papa – representa o próprio Cristo, os servos são os discípulos e os talentos são os dons que Jesus lhes confia. Portanto tais dons, além das qualidades naturais, representam as riquezas que o Senhor Jesus nos deixou em herança, para que as fizéssemos produzir frutos: a Sua Palavra, depositada no santo Evangelho; o Baptismo que nos renova no Espírito Santo; a oração – o “Pai nosso” – que elevamos a Deus como filhos unidos no Filho; o seu perdão, que comandou de levar a todos: o sacramento do Seu Corpo imolado e do Seu Sangue derramado. Numa palavra: O Reino de Deus, que é Ele mesmo, presente e vivo no meio de nós. Este – salientou o Papa – é o tesouro que Jesus confiou aos seus amigos, no final da sua breve existência terrena. A parábola de hoje insiste na atitude interior com a qual acolher e valorizar este dom. A atitude errada é aquela do medo: o servo que tem medo do seu patrão e esconde a moeda debaixo da terra e ela não produz fruto. Isto acontece por exemplo - acrescentou depois Bento XVI – a quem tendo recebido o Baptismo, a Comunhão e o Crisma enterra depois esses dons debaixo de uma série de preconceitos, sob uma falsa imagem de Deus que paralisa a fé e as obras. Mas a parábola põe em realce os bons frutos produzidos pelos discípulos que felizes do dom recebido não o esconderam, mas fizeram-no frutificar, partilhando-o. A mensagem central do ensinamento evangélico deste Domingo - salientou o Papa a concluir – diz respeito ao espírito de responsabilidade com o qual acolher o Reino de Deus: responsabilidade para com Deus e para com a humanidade. Depois da recitação do Angelus o Papa recordou que no próximo dia 21, memória litúrgica da Apresentação de N. Senhora ocorre a jornada pró Orantibus, pelas comunidades religiosas de clausura. E depois de ter agradecido ao Senhor pelas irmãs e irmãos que abraçaram esta missão dedicando-se totalmente á oração e vivendo daquilo que recebem da Providencia pediu orações por elas e pelas novas vocações e empenho no apoio aos mosteiros nas suas necessidades materiais. Queridas irmãs e irmãos - disse o Papa - a vossa presença na Igreja e no mundo é indispensável. (Fonte: site Radio Vaticana)
publicado por spedeus às 13:34

«Dá "toda" a glória a Deus. - "Espreme" com a tua vontade, ajudado pela graça, cada uma das tuas acções, para que nelas não fique nada que cheire a humana soberba, a complacência do teu "eu".» São Josemaría Escrivá – Caminho, 784 O ‘Spe Deus’ tem evidentemente um autor que normalmente assina JPR e que caso se justifique poderá assinar com o seu nome próprio, mas como o verdadeiramente importante é Deus na sua forma Trinitária, a Virgem Santíssima, a Igreja Católica e os seus ensinamentos, optou-se pela discrição.
NUNC COEPI - Blogue sugerido para questões de formação, doutrina, reflexões e comportamento humano
http://amexiaalves-nunccoepi.blogspot.com/
subscrever feeds
links
pesquisar neste blog
 
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

blogs SAPO