«Creio para compreender e compreendo para crer melhor» (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9) (Santo Agostinho, Sermão 43, 7, 9)

26
Jun 09
Homilia na festa de São Josemaria Escrivá, Fundador do Opus Dei
(Fátima, Basílica de Nossa Senhora, 26 de Junho de 2008)
 
1. Introdução. Por uma providencial circunstância, a festa de São Josemaria Escrivá ocorre três dias antes da solenidade de São Pedro e São Paulo que, nesta ocasião, dará início ao Ano Paulino, por uma muito feliz iniciativa do Santo Padre Bento XVI.
 
 
Antes, contudo, de alinhavar algumas breves considerações sobre esta efeméride e de a relacionar com a vida e missão do santo fundador do Opus Dei, permitam-me que expresse a muita alegria que me vai na alma, por me encontrar neste tão abençoado lugar. Se é sempre com viva emoção que venho a Fátima, apraz-me registar o privilégio que me foi concedido de presidir a esta celebração eucarística, na proximidade dos restos mortais da Irmã Lúcia e dos Beatos Jacinta e Francisco. Aos três videntes, que certamente já gozam da visão de Deus e de Nossa Senhora, peço por todos os que nos acompanham nesta celebração, também por meio da rádio e da televisão, para que nos alcancem a graça de uma autêntica conversão e de uma vida santa.

Não quero deixar de evocar também o venerado e saudoso Senhor D. Alberto Cosme do Amaral, primeiro Bispo de Leiria-Fátima e primeiro sacerdote português do Opus Dei, que também repousa nesta basílica, em sepultura deste altar-mor. Tenho por especial graça de Deus as muitas vezes em que pude ouvi-lo e falar-lhe: o exemplo da sua fidelidade a Deus e do seu terno amor à Mãe do Céu dão razão à minha esperança de que já goza da bem-aventurança celestial. Animado por esta íntima certeza, ouso pedir-lhe que nos obtenha a graça que Deus promete aos seus servos que são bons e fiéis (cfr. Mt 25, 21.23).
 
2. Uma lição de esperança e de caridade. Antes ainda de São Lucas, no seu segundo livro, nos relatar a conversão de São Paulo (cfr. Act 9, 1-19), noticia o evangelista a presença do futuro apóstolo, no martírio de um dos primeiros diáconos da Igreja. Refere-o pelo nome que usava antes de ser cristão, «Saulo», e indica aproximadamente a sua idade, quando diz que era, na altura, «um jovem». Afirma também que foi a seus pés que depuseram os seus mantos os que delapidaram Santo Estêvão (cfr. Act 7, 58-60).
 
Não deixa de ser curioso que a primeira menção a um dos maiores santos de toda a história da Igreja seja a da sua participação num crime: o martírio de Estêvão! Um homicídio de que foi, pelo menos, cúmplice, se não mesmo autor. Esta paradoxal referência prova que Deus não faz acepção de pessoas e, portanto, todos os homens são objecto do Seu misericordioso amor.
 
São Paulo aprendeu bem a lição, pois nunca entendeu o chamamento de que foi alvo como uma distinção que lhe fosse devida ou que ele de algum modo merecesse, mas apenas e só como uma gratuita manifestação da bondade divina: com efeito, «Deus escolheu as coisas vis e desprezíveis segundo o mundo e aquelas que não são nada, para destruir as que são e para que nenhuma criatura se glorie diante d’Ele» (1 Cor 1, 28).
 
 
Um tal ensinamento é lição de esperança, mas também uma responsabilidade, pois a ninguém é lícito esconder-se na sua indignidade para recusar a bênção da santidade. É também exigência de caridade: Estêvão, porque sabia que a graça tudo pode, rezou pelos seus assassinos e, decerto, é em parte a esta sua prece e ao sacrifício da sua vida que se deve a conversão de Saulo (cfr. Act 7, 60).
 
 
3. Homens de carácter. Há ainda um outro aspecto que merece ser sublinhado. O jovem Saulo, não obstante o seu ódio contra a verdadeira religião (cfr. Act 9, 1), apresenta-se como um homem decidido, um jovem de grande determinação, dotado, em suma, de uma forte personalidade. É certo que, naquela etapa inicial da sua vida, todas essas suas capacidades estavam ainda ao serviço de uma má causa, mais por ignorância do que por malícia, mas é inegável a valia deste substrato humano, que será o fundamento do edifício espiritual que, sem este admirável esteio, porventura não teria condições para se firmar.
Outro tanto, salvando as devidas distâncias, se pode dizer do jovem Josemaria. Nascido no seio de uma família cristã e, por isso, desde pequeno habituado à prática da fé, o santo fundador do Opus Dei foi também, desde a sua infância, uma pessoa de grande personalidade. Esta sua qualidade ser-lhe-ia imprescindível para levar por diante a missão que Deus lhe iria pedir, pois só com muitos sacrifícios se abrem novos caminhos de santidade e de apostolado na Igreja e no mundo.
 
 
«O Reino dos Céus sofre uma forte oposição e são os esforçados que o conquistam» (Mt 11, 12). Saulo de Tarso e Josemaria Escrivá souberam sê-lo, sendo fiéis no «bom combate» da fé (cfr. 2 Tm 4, 7), não lutando contra os outros, mas contra as suas paixões, o «homem velho» (cfr. Rm 6, 6) de que se queixava o converso de Damasco, por o reconhecer como o principal inimigo da sua virtude… A realidade dessas suas lutas recorda que a santidade cristã não é susceptível de ser alcançada senão com esforçado empenho.
 
 
Vem a talho de foice reproduzir o que, a este propósito, escreveu São Josemaria: «Dizes-me que sim, que queres. - Está bem. Mas queres como um avaro quer ao seu ouro, como uma mãe quer ao seu filho, como um ambicioso quer às honras, ou como um pobrezito sensual, ao seu prazer? – Não? – Então não queres» (Josemaria Escrivá, Caminho, 20ª edição, Ed. Rei dos Livros, Lisboa 2002, pág. 121, nº 316).
 
 
4. Uma luz sobrenatural. O mistério da graça de Deus não cabe na compreensão humana: não decorre de nenhuma causa terrena, porque é obra libérrima e gratuita daquela sapiente Vontade que «quer que todos os homens se salvem e cheguem ao conhecimento da verdade» (1 Tm 2, 4).

Saulo, quando percorre furiosamente os caminhos de Damasco, não só não experimenta nenhuma atracção pelo ideal cristão, como respira «ameaças e morte contra os discípulos do Senhor» (Act 9, 1). E, contudo, «uma luz fulgurante vinda do Céu» subitamente o envolve e derruba: é Jesus, a quem Saulo persegue, que lhe aparece! (Act 9, 3-5). Assim age Deus na vida dos homens, de forma que não lhes caiba qualquer dúvida quanto à natureza sobrenatural da graça que lhes foi concedida, ao arrepio de tudo o que poderiam humanamente esperar!

Algo semelhante aconteceu também ao jovem Padre Josemaria, naquele já remoto 2 de Outubro de 1928, quando lia e meditava, no seu quarto, alguns apontamentos espirituais. Nesse momento, sem que nada pudesse pressagiar essa graça sobrenatural, «viu» o Opus Dei, não como a conclusão lógica de um seu anseio pastoral, mas como uma empresa exclusivamente de Deus que, por isso, sem jactância, se podia e devia chamar trabalho divino, uma obra de Deus, ou seja, em latim, Opus Dei.
 
Ante essa realidade, que lhe foi dada ver como algo real e não mera conjectura, São Josemaria sentiu-se sempre como um mero instrumento e, por isso, dizia com sincera humildade, que se considerava fundador sem fundamento. E, aos primeiros homens e mulheres que, seguindo-o a ele, assumiram também esse labor de almas, fez-lhes ver, logo de início, que não era aquela iniciativa apostólica um empreendimento pessoal, mas um manifesto querer divino e, por isso, dever-se-iam sentir responsáveis diante de Deus, que os tinha chamado para esse serviço à Igreja e a todas as almas.
 
 
 
5. Um novo horizonte de apostolado. A evangelização que Saulo promovia entre os gentios, fazendo-lhes saber que também eles eram chamados a fazer parte da Igreja, o novo e definitivo povo de eleição, completava o apostolado de Simão, que pregava preferencialmente aos judeus a realização, em Cristo Nosso Senhor, das profecias messiânicas. Por essa razão e também pelo seu comum martírio na cidade eterna, Pedro e Paulo são co-fundadores da Igreja romana e expoentes da unidade e catolicidade eclesial. 
 
Quando, no dia 2 de Outubro de 1928, o Padre Josemaria Escrivá se apercebeu do que o Senhor lhe pedia, deu-se também conta de que essa sua missão era, de certo modo, inédita, como o fora, dois mil anos antes, a de Paulo, mas que se inseria perfeitamente na pastoral da Igreja universal. Até então, o chamamento para a santidade estava centrado na consagração religiosa, entendida como principal via de acesso à perfeição da caridade. São Josemaria, por vontade de Deus, abriu esse horizonte de santidade aos cristãos que vivem e trabalham no meio do mundo.
 
 
Graças à luz divina que o Senhor fez brotar na mente e no coração daquele jovem sacerdote diocesano de vinte e seis anos, são já inumeráveis os fiéis que aprenderam a santificar-se nas circunstâncias da sua existência secular, seguindo o sempre amável exemplo da Sagrada Família de Nazaré.
 
 
Não deixa de ser significativo que o único bem-aventurado a quem foi dado mandar no Filho de Deus, São José, para além de o instruir e sustentar, tenha sido um simples artesão, casado e carpinteiro de profissão (cfr. Lc 2, 51). A mais santa de todas as criaturas humanas, a única que merece o superlativo da perfeição – a Santíssima Virgem Maria – foi, neste mundo, uma mulher que, pelo labor do seu lar e pela sua dedicação ao seu marido e Filho, alcançou a plenitude da graça. E, para que não restasse qualquer dúvida acerca da eficácia divina do fiel cumprimento dos deveres familiares e profissionais, o próprio Messias não desdenhou esses afazeres, em que consumiu a quase totalidade da sua vida terrena.
 
6. O chamamento universal à santidade. Quando São Paulo pregou aos gentios o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo e os admitiu na Igreja, causou a indignação de alguns zelosos fiéis que, por procederem do judaísmo, entendiam que as prescrições da antiga Lei eram também exigíveis aos conversos do paganismo. Graças ao Concílio de Jerusalém, celebrado no ano 50 da era cristã, o Espírito Santo esclareceu definitivamente a Igreja, pela voz autorizada do seu infalível magistério, sobre esta controvérsia, confirmando-se assim o que o profético zelo apostólico do Doutor das Gentes antecipara.
    
Algo semelhante ocorreu também com a doutrina e a praxe do chamamento universal à santidade. Este ensinamento, embora velho como o Evangelho e como o Evangelho novo, foi entendido por alguns como sendo de duvidosa ortodoxia quando S. Josemaria o propôs aos leigos que dele se aproximavam, com ânsias de uma maior intimidade com Deus e de uma mais activa participação no apostolado da Igreja. Hoje, graças a Deus e ao Concílio Vaticano II, esta mensagem é já conhecida em toda a Igreja e praticada por muitos fiéis, que procuram percorrer este caminho da santificação.
 
 
Mas – poder-se-ia questionar – a universal difusão deste chamamento à santidade não faz desnecessária a mensagem de São Josemaria Escrivá? E, tendo a Igreja universal assumido essa competência, que sentido faz então o apostolado que o Opus Dei desenvolve? Não bastam as dioceses e as paróquias para promover a santidade dos fiéis que vivem no meio do mundo? Que necessidade há de novas instituições que promovam o que é, afinal, a missão eclesial em relação aos leigos?!
 
Na realidade, quer a divulgação deste ensinamento, quer ainda a premente necessidade de atender quantos cristãos tendem à santidade no meio do mundo, não só não questionam a actualidade do apostolado do Opus Dei como fazem ainda mais necessária e urgente esta pastoral específica.
 
 
Com efeito, quando Deus suscitou este novo serviço pastoral na sua Igreja, mediante o carisma que concedeu ao seu fundador, não quis apenas recordar um princípio evangélico que tinha sido de algum modo esquecido na prática da vida eclesial, mas dotar a própria Igreja de uma estrutura pastoral capaz de proporcionar os meios necessários para que os leigos pudessem, efectivamente, alcançar a santidade no seu próprio ambiente familiar e social. 
 
Quando este anúncio se fez universal, graças aos ensinamentos do Concílio Vaticano II, a Igreja comprometeu-se de algum modo a oferecer aos leigos um acompanhamento pastoral apto para a efectiva realização do proclamado chamamento à santidade. Pois bem, esse instrumento específico da Igreja universal é, precisamente, a prelatura do Opus Dei. Neste sentido, esta estrutura jurisdicional é, pela sua própria natureza, um serviço que a Igreja universal presta às Igrejas particulares e que se consubstancia numa efectiva catequese de contínua formação espiritual, ascética, doutrinal e apostólica, que capacita os leigos para a integral realização da sua vocação baptismal.
 
 
7. Um bem para toda a Igreja. De modo análogo a como a Igreja de Paulo não concorre contra a Igreja de Pedro (cfr. 1 Cor 1, 10-13), também não faz sentido opor as instituições hierárquicas que, como as dioceses e a prelatura do Opus Dei, realizam, cada qual a seu modo, a missão da Igreja. Obviamente, também não faria sentido desprezar outras instituições eclesiais que, como os novos movimentos, também promovem, à sua maneira, o apostolado laical. De algum modo, quer a prelatura do Opus Dei, como estrutura hierárquica de âmbito internacional, quer esses institutos aprovados pela Igreja, enriquecem espiritual e apostolicamente as Igrejas locais que, por meio dos organismos diocesanos e das paróquias, asseguram a cura pastoral ordinária dos fiéis.
 
 
A distinção entre esta assistência espiritual comum, que corresponde às paróquias e dioceses, e uma pastoral da santidade laical, que é missão específica da prelatura do Opus Dei, parece encontrar reflexo nos ensinamentos paulinos, quando o apóstolo afirma que Cristo o não enviou a baptizar, mas a pregar o Evangelho (cfr. 1 Cor 1, 17). Com efeito, a administração dos sacramentos compete prioritariamente às entidades hierárquicas territorialmente competentes, mas o ministério da formação dos leigos é uma incumbência que requer agentes pastorais – sacerdotes e leigos – vocacionados para esse trabalho de almas, depois de recebida uma conveniente preparação, no âmbito de uma estrutura jurisdicional especialmente vocacionada para esse fim.
 
 
A diversidade de instrumentos não obsta à coesão da Igreja, na mesma medida como – segundo o inspirado ensinamento paulino – os múltiplos órgãos do corpo humano não rivalizam entre si mas, pelo contrário, concorrem para o bem da unidade: «Há, com certeza, diversidade de graças, mas o Espírito é o mesmo; e os ministérios são diversos, mas o Senhor é o mesmo; e as operações são diversas, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos. A manifestação do Espírito é dada a cada um para utilidade comum […]. Do mesmo modo que o corpo é um e tem muitos membros, mas todos os membros do corpo, embora sejam muitos, são contudo um só corpo, assim também é Cristo. Com efeito, todos fomos baptizados num mesmo Espírito, para sermos um só corpo, quer sejamos judeus ou gregos, servos ou livres, e todos temos bebido de um só Espírito» (1 Cor 12, 4-7, 12-13).
 
 
8. O bom combate. «Quanto a mim – escreve o velho Paulo a Timóteo – estou já oferecido em libação, e o tempo da minha partida aproxima-se. Combati o bom combate, acabei a minha carreira, guardei a fé. De resto, está-me preparada a coroa da justiça que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia; porém, não só a mim, mas também àqueles que esperam com amor a Sua vinda» (2 Tm 4, 6-8). Numa carta anterior, dirigida também ao mesmo colaborador, Saulo de Tarso, tinha-o animado a perseverar na luta cristã até ao fim: «Tal é a recomendação que te faço, meu filho Timóteo, […] a fim de que combatas o bom combate, conservando a fé e a boa consciência» (1 Tm 1, 18-19).
 
 
Em termos similares se poderia ter dirigido aos seus filhos espirituais São Josemaria Escrivá, naquele já longínquo 26 de Junho de 1975, em que se concluiu a sua vida terrena. Também ele, depois de uma vida intensa em obras e amores – «porque obras são amores e não boas razões» – podia dizer que tinha combatido o bom combate, conservando a fé. Mais ainda, imitando o Apóstolo das Gentes, espalhou essa centelha divina pelas sete partidas do mundo, incendiando milhares de corações com aquele mesmo lume divino que Nosso Senhor veio trazer à terra (cfr. Lc 12, 49).
 
 
Se é verdade que o santo fundador do Opus Dei já terminou a sua carreira, não concluiu contudo a sua missão: no Céu, São Josemaria continua a interceder por todos os que a ele recorrem, para que, seguindo não apenas as suas palavras mas também o exemplo heróico da sua vida, sejam perfeitos como o nosso Pai celestial é perfeito (cfr. Mt 5, 48). A sua vida deve ser para cada um de nós o que foram para ele, ainda adolescente, as pegadas que um religioso descalço deixara sobre a neve: aquele rasto foi o detonador da sua conversão, o início providencial de uma nova e definitiva etapa da sua caminhada para Deus. 
 
9. Conclusão. Porque morreu pobre, como aliás sempre tinha vivido, o fundador do Opus Dei não deixou testamento, mas deixou-nos, por herança, o seu imenso amor a Nossa Senhora.

Dessa sua tão intensa devoção mariana é também testemunha este templo, aonde amiúde peregrinou, com o espírito penitente dos antigos romeiros. S. Josemaria Escrivá é, com efeito, o primeiro peregrino de Fátima que subiu às honras dos altares. Supliquemos-lhe que, juntamente com os pastorinhos, peça por nós a Deus, para que, a vida santa e o empenho apostólico de São Paulo sejam uma realidade na existência de cada um de nós. E, se porventura um tal propósito nos parecer impossível, tenhamos por certo que nunca nos faltará a nossa Mãe do Céu. Nossa Senhora, como aqui prometeu à Lúcia, também a cada um de nós oferece, agora e sempre, a sua maternal intercessão: «Não desanimes. Eu nunca te deixarei. O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus» (cfr. P. Fernando Leite, As aparições de Fátima, 14ª ed., Apostolado da Oração, Braga 1989, pág. 10).
 
 
Pe. Gonçalo Portocarrero de Alamada
 
 
 
 
 
Nota: publicado com autorização prévia do autor

 

publicado por spedeus às 00:04

«Dá "toda" a glória a Deus. - "Espreme" com a tua vontade, ajudado pela graça, cada uma das tuas acções, para que nelas não fique nada que cheire a humana soberba, a complacência do teu "eu".» São Josemaría Escrivá – Caminho, 784 O ‘Spe Deus’ tem evidentemente um autor que normalmente assina JPR e que caso se justifique poderá assinar com o seu nome próprio, mas como o verdadeiramente importante é Deus na sua forma Trinitária, a Virgem Santíssima, a Igreja Católica e os seus ensinamentos, optou-se pela discrição.
NUNC COEPI - Blogue sugerido para questões de formação, doutrina, reflexões e comportamento humano
http://amexiaalves-nunccoepi.blogspot.com/
subscrever feeds
links
pesquisar neste blog
 
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

blogs SAPO